domingo, 29 de outubro de 2017

Por que assistir Anne with an e?


Oi pessoas! Oi humanoides!

Aqui vou eu com mais uma indicação para vocês. Essa série é uma obra um tanto escondida da Netflix, baseada numa obra de 1906 Anne of Green Gables, não aborda nenhum tema de universo fantástico, mas me encantou com certeza.

Anne with an e, conta a história de uma órfã e suas descobertas conforme passa a viver com uma simples família do interior da Inglaterra.

A série aproveita a visão lúdica e inocente de mundo da jovem Anne para abordar de maneira suave o machismo, o que a torna bem parecida com um dos clássicos que mais amo, O sol é para todos. Para quem não leu ele aborda de forma leve a desigualdade racial nos Estados Unidos.

Possui uma trama simples, então não esperem grandes revirevoltas,  essa série promete apenas nos encantar. E essa missão ela com toda certeza cumpre sem problemas.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Labirinto...

Um poema bastante difícil de ler.

Boa sorte!

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

FALLEN - A primeira vez que passei mal após ir ao cinema


Amigos leitores, vocês acompanham-me no amor e na dor ao longo deste blog. Hoje, eu vou mostrar a vocês como esse papo de dor é sério, afinal... EU NÃO VOU PARA O TÚMULO SENDO O ÚNICO A SENTIR ISSO, CARALHO!!!

Pois é. Fallen. O que é Fallen? Resumidamente, Fallen é uma porra de um romance de livros água-com-açúcar, os quais você percebe gritantes plágios da (Argh!) saga Crepúsculo. Sério. Permitam-me demonstrar:

Imagine que nosso planeta é um gigantesco episódio de "Os Simpsons", no qual as pessoas são idiotas e compram qualquer coisa que seja escrita e romantizada. Para isso, as grandes editoras inventaram e patentearam uma máquina: a Chorumex3000. Ela permite que você escreva um romance contemporâneo de acordo com o universo que você deseja expor. Atenha-se ao exemplo:

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Um marco do cinema de 2054:

Toy Story 19!!!
Mas confesso que não gostei muito do final...

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Pessoas que não entendem o significado de obvio...


Quando o roteirista não tem muita noção de ridículo...

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Definições

Porque os clássicos estão na moda!


Profissional, não?

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Phantasy Star - resenha de RPG


  • Game: Phantasy Star

    Plataforma: Genesis Master System Responsável: SEGA Tipo: RPG mono-player Data de criação: 1988 (lançamento EUA)













    Bier:

    Tá aí, gurizada. Nossa análise de games old school será feita em formato diferente: em dupla. Por isso tá aí o Henrique, e estamos redigindo este texto ao mesmo tempo, nas vias on-lines.

    Henrique:

    Isso aí, Bier, e o jogo escolhido hoje não poderia ser outro, afinal nos conhecemos num fórum de Phantasy Star.

    Bier:
    Yep, tempos do famigerado Orkut... que foram e não voltaram... Mas deixando as lágrimas nostálgicas de lado, o que te chamou a atenção no nosso querido PS, meu velho?



    Henrique:
    A dificuldade do jogo, lembro que a Gazeta de Algol (site dedicado aos fãs da série) ter dito que os testadores do jogo levaram 30 dias para terminar ele (?). Nós levamos um ano, jogando quase que diariamente no Master System III do meu amigo.

    Bier:
    É, comigo também foi um mês longo... e incrivelmente divertido. Esse jogo me chamou a atenção porque foi o primeiro contato que tive com um jogo de videogame inteiramente em Português. A proximidade e a complexidade (foi também meu primeiro RPG eletrônico). Eu sentia como se as pessoas do jogo estivessem realmente falando comigo.

    Henrique:
    Ah, essa sensação, entramos tanto no jogo que era o nosso assunto principal durante as aulas da 5ª Série.
    Bier:
    Como todo o clássico, você, no papel da protagonista, pertence à plebe oprimida pelo governo.

    Henrique:
    Nero Landale era líder de um grupo rebelde que tentava depor o Rei opressor Lassic, após seu assassinato sua irmã Alis Landale jura vingança. Mas com o passar do tempo seus objetivos se tornam menos sobre vingança e mais sobre liberdade ao povo.Alis consegue amigos valorosos que se mostram importantíssimos em seu objetivo de depor o Rei Lassic.
    Bier:
    É, inicialmente, Alis está em terríveis lençóis: A cidade toda teme o governo de Lassic. Ela só tem a espada de Nero (que não é lá grande coisa), e a cidade toda fala baixo para não atrair a atenção da guarda real. Guardas comentam, inclusive, que deixar a cidade é o mesmo que sentenciar-se à morte.

    Henrique:
    Mesmo com todos os obstáculos, Alis consegue ajuda de pessoas que não estão satisfeitas com a situação, como a doce Suelo que oferece hospedagem para Alis sempre que esta se encontra em Camineet. Ou o louco Dr. Luveno.
    Bier:
    Lembro do Nekise, beeeem no início, que afirma ser amigo do Nero e do Odin... ele deixa com Alis o Pote de Lacônia que é muito importante em dois pontos da história. Já a Suelo, Henrique, me dá pena...

    Henrique:
    Pena? Por que Bier?

     
    Bier:
    No início da história ela é muito compreensiva com a Alis. "Pôxa, teu irmão morreu e tu tem uma batalha longa pela frente. Sempre que cansar, pode ficar aqui em casa. Dali, uns dias depois ela aparece com mais dois marmanjos e um gato pra dormirem na casa da coitada. E a casa da Alis fica à uma quadra de distância.

    Henrique:
    Hahaha, boa cara! Mas, alguém precisa cozinhar para que aconteça uma revolução. E a Suelo estava disposta a guarnercer os combatentes. Lembro que no Orkut havia uma comunidade dedicada à Suelo.

    Bier:
    Sim, sim... com uma bela modelo figurando a existência dela. ^^


    [Continua...]

domingo, 1 de outubro de 2017

Uma simples história de amor



Eu amo
Mas às vezes, as palavras me faltam
Eu quis a Lua como cúmplice
E o Sol como testemunha.


Tu me amas?
Ouves as palavras que te falam?
Ou à noite ouves meu suplício
E durante o dia vês tudo que o compunha?


Nós amamos
Essa é a verdade
Tantos outros se amam,
Mas é em você que vejo felicidade.


Tu me amas
Falaste-me baixinho, sob a luz da Lua
Agora, sob a luz do Sol, eu peregrino,
Rumo à casa de teu pai, pedir a mão tua.


Peço a ele que aceite
Minha nobreza e minha humildade.
Teu pai chorou diante do pedido.
Não de tristeza, mas de felicidade.


Quebrou porquinho, rasgou colchão
E de pouco em pouquinho, o homem de idade
Abrindo o coração,
Nos deu a festa mais bonita da cidade.

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Todos amam banana!!!


Quando você lembra o seu orientador te faz lembrar que ele tem mais vida social que você...

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

sábado, 23 de setembro de 2017

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Doutor ou policial intergalático?


São muitas coincidências!!!! onde está o distintivo?!

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Revolução Farroupilha



Já peguei um vídeo com legenda e tudo.
Avisem os linguistas que o Hino da França já não é mais o mais bonito do mundo!

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Nunca mais reclame da sua adolescência...


E eu que achava minha adolescência constrangedora...
Se pode dizer que esse garoto viveu no inferno e no céu ao mesmo tempo...

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Cronicas de Nashtar - O inicio 01

Ela caminhou em direção a porta, uma luz azul fantasmagórica a banhava, e em mais uma vida havia conseguido atingir o seu objetivo, era isso o que Lisbeth Bolguer pensava ao abrir a porta e morrer novamente. Ao vislumbrar seu destino de novo.

***************

Era meio dia quando Lisbeth chegou a Almíscar, disfarçada de marujo. Não havia sido fácil passar aquele mês tendo apenas a si como companhia, mas em quem mais se pode confiar quando se é capaz de lembrar de todas suas outras vidas?

Hector a esperava em Almíscar, sabia disso porque a verdade é que em todas as suas reencarnações muitas coisas mudavam isso era fato. Mas existia algo que nunca mudaria, Hector sempre iria lhe esperar na cidade do anis mesmo que não soubesse o que lhe segurava aquela cidade, o que esperava que as correntezas e o vento lhe trouxessem.

Permitiu-se admirar o surgimento da cidade que ganhava contornos através da neblina, chegariam na surdina, ela sabia que Mary Head possuía um esconderijo próximo a cidade, por isso havia entrado na tripulação. E isso era algo que não lhe causava arrependimentos outra coisa que sabia era que Mary Head era justa com seus marujos, e a prova disso era sua bolsa cheia de ouro no bolso interno da casaca roubada de um marinheiro de Tayrin. Afinal existia honra na pirataria, ao menos enquanto a ganancia e os anseios que perturbavam todos os homens não estivessem em jogo.


Atrás de si o convés começava a se agitar, não havia conseguido dormir, como não conseguira dormir em todas as vezes que fora encontrar Hector, o imediato estava no timão e havia lhe observado durante parte da madrugada, fingira-se de mudo o que havia lhe feito evitar conversas, o imediato havia lhe matado algumas vidas atras e a raiva que possuía ainda estava quente no pulso.

- Ah se você lembra-se! - pensou ela lhe vendo pelo canto dos olhos - Faria com você o pior do que tive em todas essas miseráveis vidas.

Precisava de mais rum, desceu a dispensa e furtou o rum escondido pelo imediato, assim como alguns biscoitos saboreou sua sutil vingança, estava chegando em terra e logo não precisaria mais comer aquela massa dura como pedra que chamavam de biscoito, sentia falta dos biscoitos e de sua vida de Tayrin. antes de toda aquela maldição, ainda conseguia ouvir a risada dos gêmeos bastardos ecoando em seu cérebro.

"Dessa vez eles me pagam", pensava ela todas as vezes que via os rostos esbranquiçados de forma doentia, antisséptica, inumana. E os olhos negros como a mais profunda escuridão dos confins da terra.

O Galeão foi ancorado, e o movimento pelos botes começava, o chamado para descarregar o lucro da viagem, venderiam parte da mercadoria em Almíscar, o governador perdera a lealdade a coroa a um bom tempo, e a promessa de não saquear a cidade assumida por todos os tripulantes dos "Olhos de Helena" era mais eficaz do que a marinha do porto.

A tarefa era pesada, mas trabalhos braçais não lhe incomodavam, eram um momento que lhe permitia sentir-se simples, como qualquer humano, e devido a seu passado violento seu corpo era mais condicionado que o das mulheres daquela época, havia tempos que deixara de ser uma donzela delicada, e em alguns momentos desconfiava se algum dia havia realmente sido.

Após a venda da seda pegou sua parte e encaminhou-se para o centro da cidade, as ruas sinuosas haviam mudado consideravelmente desde sua ultima estada ali, em sua ultima vida quando lhe chamavam de Alessa, naquele tempo era uma ferreira oficio aprendido por conta de seu pai naquela vida, conseguiu depois de muito custo livrar-se de um casamento arranjado e roubou os lucros de uma espada vendida há um Lord de outra cidade.

Naquele tempo Almíscar começava a destacar-se pela produção do anis estrelado, que era muito utilizado na produção de perfumes, na culinária e em remédios, as más línguas falavam que o fato da cidade ser dificilmente atacada mesmo com tanta prosperidade era devido aos campos de anis, que na sabedoria popular era reconhecido como erva de boa sorte. Não costumava acreditar no sobrenatural, para era mais confortável acreditar nas politicas de "apaziguamento" do governador, mas com toda a coisa da maldição, com o tempo era consideravelmente difícil continuar descrente. O fato é que a produção do Anis havia tornado a cidade pobre que vivia da pesca, em uma capital portuária, era difícil achar-me nessa cidade, principalmente na busca de algo tão especifico quanto a "la fontanella di legami", mas logo peguei-me observando os laços de fita amarrados ao redor da fonte. A fonte era uma estatua da Deusa Yana, seu corpo nu estático permitia que seus cabelos longos fossem até o o fundo da fonte e lhe rodeassem como um véu, de alguns de seus fios jorravam linhas d'água. Era o resquício da velha aldeia de pescadores que havia conhecido tempos atrás. Os laços promessas de amor eterno, como o amor do casal primordial que ela havia unido com um de seus laços de fita e assim acabado com  guerra entre os Deuses e o Povo livre.

E ele não estava ali.

Um menino que observava as fitas amarradas nos fios mais baixo notou meu espanto.

-Você procura pelo moço que vem aqui todos os dias? - disse ainda um tanto triste, os cabelos nos ombros eram castanhos não parecia te mais que 6 anos, seu rosto tinha os traços de uma criança travessa e aquele comportamento dele com toda certeza era tão anormal quanto a falta de Hector na fonte.

-Sim, procuro por ele.

- Eu conheço ele, ele costuma brincar comigo aqui na fonte enquanto espera alguém, Ele me disse que não sabe porque acredita nisso mas que a pessoa de quem sente falta viria a essa fonte. Não sabe porque sabe disso. Faz uns dias que a filha do governador acusou ele de fazer coisas feias com ela, minha mãe não que que eu saiba que coisas feias são essas e diz que eu não deveria gostar dele, porque ele é um homem mau que fez coisas feias. Mas eu não quero que ele seja enforcado. Você acha que sou mau por isso?- O menino disse tudo muito rápido era visível como todos aqueles sentimentos e pensamentos atormentavam sua cabecinha preocupada com tão pouca culpa e maldade. De seus olhos começaram a brotar lagrimas que brilhavam por um momento como cristais de sua pureza e inocência até se perderem na água da fonte.

- Não acho que você seja um garoto mau. Também não acho que o moço da fonte tenha feito algo feio.

-Ele não faria coisas feias... - disse o menino limpando as lagrimas, me sentei ao seu lado e apoiei minha mão em seu ombro.

- Sabe o moço da fonte não estava errado. Ele não estava esperando sem motivo, ele me esperava.

-Então é você a moça bonita dos sonhos dele?

Eu não sabia que Hector estava tendo sonhos comigo, aquilo não costumava acontecer, não tão cedo.

-Sim, sou eu. E vou salvar ele, não se preocupe.- disse soltando os cabelos e amarrando o meu 33° laço na fonte, a fita vermelha tremulou com o movimento da água. - Vou salva-lo, te prometo.


E mais uma vez seria necessário empunhar minha espada e todas as armas que só são permitidas as mulheres... Mas isso é uma historia para outro momento... Agora descanse querido leitor, e deixe-me com meus planos e tramoias.



E pra Raíra, tudo ou nada?!?!?!

Tudo!!!

Mas antes de eu começar com esse tudo, aqui vai uma história... breve.

"Peguei meus R$2,00 e parti."
2014 havia sido um ano difícil pra mim. Algumas pessoas haviam me decepcionado muito, a ponto de eu chegar a questionar minha própria existência. Amigos meus se compadeceram com os eventos que foram tão catastróficos pra mim. Gabriel era como um cúmplice, me ajudava a fugir da rotina que me esmagava. Outros amigos meus, como o Pi e o Sorata fizeram alguns esforços para me acompanhar em uma jornada incrivelmente inglória, em busca de uma mudança de vida.

Nenhum amigo meu, no entanto, poderia me acompanhar por tanto tempo e se fazer presente em momentos que foram cruciais para mim. Não me interpretem mal, eu não estou culpando nenhum de vocês por isso. Mas uma pessoa liberou um bom espaço na sua agenda para me atender sempre que pode, mesmo vivendo tão longe de mim. E, sim, amigo leitor, essa pessoa era a Raíra.

Eu não posso negar que me esforcei para tentar manter a qualidade neste blog. Eu sei que fracassei miseravelmente e o problema deve ter ficado visível aos olhos de vocês. Gabriel me ajudava, mas nossas ideias e pesquisas começavam a ser infrutíferas, então conversamos e chegamos à conclusão de que precisávamos engrossar nosso elenco.

domingo, 10 de setembro de 2017

Eu estava com saudades!

Oi Pessoas! Oi Humanoides!

Bem estive mais sumida daqui do que gostaria... E não vim me justificar por isso, por que acredito que não existe falta de tempo e sim mudança de prioridade. Não que esse blog tenha deixado de ser importante, mas estou num momento um tanto caótico. O que é maravilhoso!
Sim você leu direito MARAVILHOSO!

O Caos é o grande principio criador, então espero muitas mudanças em minha vida e em minhas crenças, vamos rumo a revolução baby!

Estou a 3 dias de completar meus modestos 23 aninhos, e parece que foi ontem que Bier postou aquela homenagem que me deixou mais sem graça do que o Zorra, algumas coisas mudaram e outras não, como já é de se esperar. Não esperava por muitas dessas coisas por outras até que sim, por que no final todas as jornadas parecem feitas da mesma coisa. Provações, evoluções, provações de novo e aquela luizinha no fim do túnel quando parece que tudo esta perdido, aquela que você tem que agarrar com todas as forças e que nós meros humanos chamamos de esperança ou de fé.

Então segui esse caminho. Todos já esperamos as provações mas elas sempre parecem maiores quando passamos por elas, é engraçado não é?! É como se antes de passar as víssemos como formigas, durante como gigantes e depois como micróbios, porque existe essa mania de menosprezar nossos avanços, nossos esforços.

Nossos esforços devem parecer majestosos e grandiosos para todos menos para nós afinal somos humildes não? Ou ao menos somos incentivados a ser ou fingir ser.
Não consigo entender o que existe de positivo em não reconhecer o valor de nosso próprio trabalho, por mais bobo que isso possa soar  NÓS TRABALHAMOS POR ISSO! Então porque não aproveitar?

Devemos sentir vergonha do sucesso? Se não então porque é tão normal se desmotivar aqueles que conseguem sucesso?
"Tá se achando demais"
e frases semelhantes são tão comuns...

Acho que num mundo em que antidepressivos e terapia é algo cada vez mais natural ser feliz e ser bem sucedido causa tanta inveja ou até mais do que ganhar na loteria.

O engraçado é que de tantas maneiras a felicidade e o sucesso são apenas escolhas que fazemos! Mas as pessoas preferem não se responsabilizar por suas próprias vidas, a culpa sempre é do gerente que não enxerga meu potencial, da minha mulher que se tornou fria de repente, dos filhos que se tornaram desobedientes, dos clientes que não compram mais. Nunca se vê que se o gerente não vê meu potencial pode ser que eu tenha me acomodado e não venho fazendo nada fora da minha zona de conforto, que se minha mulher ficou fira pode ser porque não tenho administrado bem o meu tempo a ponto de lhe dar o carinho e a atenção que jurei a ela, que meus filhos podem ser desobedientes porque não lhes dei um bom exemplo e não inspirei neles respeito...

Afinal porque machucar meu ego se posso culpar os outros? Como já dizia Homer Simpson "Se a culpa é minha posso dar a quem eu quiser!".
O único problema nisso é que isso se torna um ciclo vicioso que não permite que ninguém evolua e que faz com que nossa felicidade sempre fique na mão das circunstancias e dos outros, não sei vocês mas acho que deixar minha felicidade como responsabilidade de qualquer pessoa além de mim é algo tão perigoso quanto deixar um avião para ser pilotado no manual por uma criança de 2 anos que vai amar apertar em todos os botões. Inclusive aquele gigantesco, que chega a arder os olhos de tão vermelho em que está escrito com letras garrafais, gritantes e amigáveis "NÃO!!!!"

Então é isso vamos refletir um pouco humanoides..

Não tinha nada em mente quando comecei a escrever isso aqui, apenas queria matar minha saudade de vocês. Que isso aqui tenha sido útil para alguém.

Por hoje é só pessoal!

Tchau pessoas!
Tchau Humanoides!



sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Quando você fala com a tv...


Moça essa situação surreal não é motivo para esquecer das aulas de matemática!!!!

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Digimon e depressão.

Dos animes da epoca de 2000, digimon se demonstrava para os ocidentais como mais um poke clone, no oriente era só um anime para vender os outros produtos, principalmente v-pets, que até hoje é o carro chefe da franquia, o sucesso foi enorme da animação, mesmo que com baixa qualidade e feita com poucos recursos, mudou o mundo e foi uma febre, mas tinha algo de peculiar nele: comparado as animações de 99-00, era um pouco mais adulta. Digimon foi uma franquia criada para garotos, Aki Maita, criou os tamagochis, mas a bandai disse: "Tá na hora dos boys" e com isso juntou aqueles bichinhos que viviam morrendo, com batalhas, onde o seu, não era o unico que morria.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

E a TARDIS é como...


Quando seu brinquedinho mais hitec é subestimado... kkkkkkkk

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Diablo III

Em 2014, meu amigo e companheiro de Blog Gabriel me apresentou em toda a sua pompa e sua glória o Diablo III, no Playstation 4.O jogo me empolgou bastante. Na época, eu cheguei a dizer a ele que era um título indispensável do PS4, uma das grandes razões pra se comprar um PS4. Divertido? Muito. O jogo também foi bem dublado e a história a ser seguida é completamente opcional... Mas estou me adiantando.

Falar de RPGs sem delongas é um pouco complicado. Mas o fato é que quero muito falar de todo o pacote da Blizzard na terceira versão de seu RPG mais classudo. (Sim, eu falo bonito. Sou cult!)

E, recentemente, tive um dos fins de semana mais fantásticos de todos os tempos. Tá, eu estou exagerando. Mas fazia tempo que eu não fazia uma maratona... de 6 horas! Com mais dois amigos. Já já eu falo sobre isso.

A questão é que Diablo sempre foi uma série muito divertida, um épico RPG. Hoje, em sua terceira versão, ele está mais para um Beaten Up com regras de RPG. E a maior vantagem: tanto no modo single player quanto os multiplayers (local ou online) não ficam atrás. E, meus amigos, se um jogo consegue esses patamares, isso é digno de nota.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Se isso ajuda a relaxar...


Fiquem a vontade humanos, sabem que isso não vai adiantar muita coisa... Mas aproveitem minha gentileza, afinal o que são algumas armas para deter o exterminador de duas especies?

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Vantagens de viajar no tempo e espaço


Uhmmm Clara dando uns pegas se aproveitando das vantagens de viagens no tempo e espaço...

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Como resolver conflitos? Exploda todos!



E então humanos? Podemos ser uma especie mais civilizada ou mais logica?

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Mundo Avesso





















Essa Tirinha é de autoria de Carlos Ruas.
Para mais : http://www.umsabadoqualquer.com/category/mundo-avesso/

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Quem são nossos heróis?

Faz realmente muito tempo que ando pensando nessas coisas...
Quero, antes de tudo, deixar muito claro que este post nada tem a ver com política, até porque eu julgo este blog como apartidário e espero que ele seja assim até seu último post.

Vocês viram o filme do Cazuza? Confesso que muitas vezes me faltou estômago: um ídolo do rock nacional, idolatrado, mas sem papas na língua para se drogar e xingar a própria mãe dezenas de vezes ao longo da película. Sério mesmo? Depois de tudo que a mãe do cara faz por ele, o MELHOR que ele pode fazer é mandar ela tomar no cu?

Agora divulgam via Facebook pesquisas um tanto duvidosas:
  • Pessoas grosseiras são as mais inteligentes, diz pesquisa;
  • Falar palavrão é sintoma de Q.I. elevado, diz pesquisa;
  • Pessoas antipáticas e antissociais são intelectuais, segundo pesquisa [...]
Peraí? Não tem alguma coisa errada aí? Parece que estamos glorificando a falta de educação, a falta de empatia, o "foda-se" pelo "foda-se".

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Amor

É compreensão.
É respeito.
É altruísmo.
É liberdade.
É pureza.

É carinho.
É vulnerabilidade.
É certeza.
É confiança.
É companheirismo.
É entrega.

É a maior evolução do homem.
É o todo no qual tudo tem fim.
É grandiosidade no ser humilde.
É generosidade sem medidas.

É o respeito e compreensão a todos.
É empatia.
É justiça.

Não é grande, porque é pleno.
Não é vaidade, pois é abandonar-se.
Não é orgulho, pois é simplicidade.
Não é duro, pois entende as limitações.

Não é físico, porque é o que transcende a alma.
É Deus, e a infinita busca por ele.
Que nos leva ao fim de tudo e todos,
O amor.  
                              Raíra

quarta-feira, 28 de junho de 2017

As Crônicas Tibianas - Cap. 77

Por onde o Sol nasce

A sensação de estar cercado de inimigos sedentos pela morte adversária é indescritível. Como eu disse anteriormente, o céu parecia ter escurecido rapidamente. "Será a morte?" - eu me perguntava. Nossos ataques não tinham sincronia combinada, era tudo uma questão de ação e reação. Não havia tempo para nos comunicarmos, com exceção de alguns gritos que dávamos em direção uns dos outros.

Bierdus havia mergulhado na concentração adversária. Eu quase não o reconhecia entre os movimentos, mas ele atacava todos os que sua espada alcançava. Biertrus, Bierfur e eu estávamos cercados e ainda em combate, mas nossas reservas de combate estavam acabando. Os Strikers estavam mais preparados, eles saíram de seu quartel general destinados a acabar com os viajantes desavisados. Teria Bierdus superestimado nossas capacidades? Nove adversários? Ele esperava tantos assim? Éramos apenas quatro, um com cada vocação. Eles era mais que o dobro, ávidos por ação e pelo derramamento de nosso sangue. "Parece que você cometeu um erro mortal, Bierdus." - eu pensava.

domingo, 25 de junho de 2017

Sobre a verdade

Bem, quem me conhece bem sabe que eu não sou só poesia. 
Sou critica.
Sou tudo que é arte.
E também sou tudo o que é espiritualidade, (ou ao menos procuro cada vez mais ser).

Seguindo muitos sinais na minha agitada vida espiritual, a vida de busca constante pela minha evolução e a dos que me permitiram ajudar, cheguei a um momento critico.

Tudo falava a mesma coisa " Chegou a hora de deixar as mentiras para trás e ser verdadeira".

Vejam bem, verdade é algo difícil para todo mundo, porque somos seres sociais e procuramos nos adaptar ao outro, mas talvez principalmente porque as mentiras são muito convenientes para nossos egos e sanidade.
Sim, sanidade...
É tão conveniente podermos interpretar a realidade com nossas mentiras, assim é fácil suportar um marido abusivo, um sonho perdido em nome da estabilidade com a máxima "Eu não conseguiria mesmo", mas sabe de uma coisa nossos relacionamentos morrem justamente por causa das mentiras. Elas não só nos afastam de quem somos, como de todos, construindo uma muralha que cria uma pretensa proteção que só nos faz perder.
Perder nossa vida com propósitos falsos, nosso tempo com falsos sentimentos, e a nós mesmos com projeções do que deveríamos ser ou sentir, como temos que ser aceitáveis e perfeitos por que todos são ou fingem ser.

Mas o pior é que em nossas confortáveis mentiras esquecemos de algumas coisas, nada é sem proposito, somos o que deveríamos ser. Fomos criados dessa forma por varias razões talvez possamos descobri-las, talvez não, mas cada traço do que somos tem seu próprio proposito, e nada poderá ser aprendido a menos que encaremos verdadeiramente quem somos.

Nada poderá realmente mudar, as conquistas não serão pequenas mas com certeza podem não ser as certas.

Bem ainda estou no começo e aprendendo.
Espero que essas reflexões possam ter sido uteis de alguma forma.
Por fim queria deixar uma musica com a qual topei nessa noite de Domingo.
Que me fez refletir mais uma vez nesse novo caminho que estou seguindo.


Recomendo que leiam a tradução ou prestem atenção na letra o que mandar seu nível de Inglês


E uma máxima bíblica que gostaria que refletissem mais profundamente sem com isso ser necessária qualquer pretensa disposição religiosa.

" A verdade vos libertará"

Agora lhes pergunto quais verdades não nos permitimos reconhecer? Quais mentiras nos tem aprisionado?



sexta-feira, 16 de junho de 2017

Causos da Raíra - Gordo Nerd infernal

Aqui estamos nós mais uma vez, resolvi tentar fazer vocês rirem com momentos desastrosos da minha vida novamente, então aqui vai:

Ele chegou na segunda semana de aula, obviamente todo mundo já estava enturmado e eu vendo que ele era do tipo que costuma ser excluído em conversas me compadeci e fui novamente gentil, puxei conversa... Ele não é bonito é exatamente como o gordo nerd, só que com o cabelo cacheado, mas isso não bastava, era necessário a ele ter uma especie de atmosfera de fedor própria você sentia a um metro e meio, não sei a causa mas era insuportável, além disso possuía um bafo que também poderia ser comparado ao do Kraken,

Como se tudo isso já não fosse ruim, ele tinha a mania de me abraçar e eu me via sufocada pela mistura de fedores num combo digno do capeta, além do golpe fatality do suor.


Se fosse só isso a situação ainda estaria aceitável, como falei pessoas estranhas costumam se interessar por mim... Mas não bastou nada disso, para completar a turma começou a fazer zoeira porque o cara além de extremamente tabacudo era visivelmente virgem e me elegeram como a "eleita" para tal, e por isso mesmo com todos os foras que tive que dar (nele e na turma) nada adiantou, e mesmo sendo "grosseira" com ele tentando fazer ele entender que eu só era gentil e não queria nada, não adiantava porque mesmo com meu porte e firmeza de amazona o cara tinha uns dois metros o que me transformava na vista dele com algo parecido com um Chiuaua que resolveu latir.

Então só me restou esperar puta os 2 anos de conclusão do curso com brincadeiras chatas e abraços com combos e fatalitys. Ele é um cara legal, mas tem a má mania de não escutar conselhos. Somos colegas ainda apesar de não termos mais contato, gostaria que ele conseguisse se melhorar porque é visível que ele não vive bem com isso, e que encontra-se alguém, é isso. Até mais um causo. Xaus!!!!




quarta-feira, 14 de junho de 2017

Sorte

Estou á tua espera
a ânsia da minha espera nervosa tão comum...
Espero que me leve, me transporte para meu caminho
O caminho que realmente devo seguir.

Você chega e se abre para mim
Penso em como tenho tanta sorte
Em como poderia ter começado o dia em outro lugar
e não a te esperar nessa manhã chuvosa de sexta-feira.

Adentro tuas fronteiras,
Me acomodo no teu intimo.
E assim, em uma manhã chuvosa.
Penso que poderia estar escrevendo sobre um amor
E não sobre um ônibus.

                                            Raíra

quinta-feira, 8 de junho de 2017

terça-feira, 6 de junho de 2017

O-ou...


"Jaime se mudou imediatamente, deixando os pertences do armário pra lá..."

segunda-feira, 5 de junho de 2017

About a Boy


Imagem relacionada

Ele vem.
Os olhos de uma beleza tão intensa,
Que o corpo se torna apenas uma caixa.
Tal beleza precisava ser guardada,
e nada lhe guardaria melhor que a simplicidade.

A simplicidade é prova
Da imaterialidade de sua alma
A alma destoa
Destoa na multidão
Para os que lhe veem a casca.

O que é uma casca?
Se não apenas um receptáculo para a verdadeira beleza?
Por isso aos meus olhos és tão belo!
És simples!

E a profundidade e sinceridade
Dos teus olhos me encantam
Poderia passar vidas a neles me perder.
És realmente belo.
Tão belo que é mal compreendido.
Porque és raro,
E poucos sabem ver a beleza
Quando ela não é comum.

O que te torna ainda mais raro e valioso aos meus olhos,
Que pretendem não deixar os teus.


                                                            Raíra

domingo, 4 de junho de 2017

Nós e a Sinuca #51


Efeitos: PeB focalizado + Polaroid Style


Este blog orgulhosamente apresenta: Vívian Raíra
Nossa querida colunista.
Hoje vou agradecê-la por duas coisas: por todos os momentos que você tornou bons;
E por ter ajudado a ressuscitar esta coluna que tanto gosto neste blog!


quinta-feira, 1 de junho de 2017

O furo da notícia: Uma festa de M...!


"Também tínhamos a opção de educá-la, ensiná-la que  cocô não é uma coisa exatamente saudável e higiênica,..." - disse absolutamente ninguém - "...mas isso daria muito mais trabalho, preferimos mimá-la e dar-lhe tudo que ela quer, porque é mais fácil e o mundo será exatamente assim." - completou o responsável.

"Durante meses, quando eu perguntava sobre o tema da festinha, minha filha dizia que queria 'o bolo e os balões com o formato dos emojis de cocô'", disse a mãe sem-noção em entrevista ao site The Huffington Post.
A decoração foi hilária: bolo marrom, bexigas, biscoitos e até uma fantasia de emoji, tudo voltado para o tema da festa.

Do fundo do meu coração, quero que essa menina cresça e se arrependa amargamente dos pais que tem, porque a adolescência (e a internet) não perdoam. O bulling que essa menina vai sofrer quando seus "amigos da escola" descobrirem/lembrarem vai ser digno de uma nova série da Netflix que começa com uma jovem tentando matar os pais.

Fonte: UOL notícias (notícia original aqui)