segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

As Crônicas Tibianas - Cap. 78

Uma missão cumprida, novos caminhos pela frente...


Na manhã seguinte, meus irmãos e eu preparamos um banquete para nossos amigos. Fomos até a taverna e enchemos nossos copos esculpidos em madeira. Havíamos tirado o dia para comemorar. Havíamos recolhido muito dinheiro, havíamos provado nossos valores e sobrevivemos graças a esses sagrados companheiros.

As imagens dessa festa jamais me sairão da mente. Mesmo que este velho a quem você chama de Bierum Wizzard convalesça em uma cama, agonizando de dor e confundido pela esclerose, nada tirará da memória deste a satisfação daquele dia. Tratamos de dar muito trabalho aos taverneiros, além de nossos copos, enchemos a mesa com pães, carnes, mel, leite, frutas...

Druidas, por serem amantes da natureza, evitam comida de origem animal. Mas às vezes você encontra um ou outro que aceita certos presentes da natureza. Meu irmão Bierfur era um desses que abominava esse tipo de comida, Andrezinho optava por não comer carne, Sam comeu com moderação. Já, nas bebidas, Furius, Grazi e meu irmão Bierdus tomavam uma cerveja atrás da outra. Faziam comentários sobre outras tavernas e sobre os estoques de outros reinos. Eu nunca gostei de bebidas alcoólicas, mas ponderei um bom vinho. Sam, Milla e Bryan me acompanharam. Nada em exagero.

Depois, em um determinado momento, Sam Scott tirou de sua mochila uma lira, e a dedilhou suavemente. Biertrus foi até meu alojamento, passou em uma loja e voltou com uma cítara. Ele disse algo como: "Sam, me acompanhe aqui, esta melodia aprendi com os elfos..." - Ah, meus amigos, se eu pudesse descrever a suavidade que saía daqueles instrumentos.

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Cronicas de Nashtar - Quarto dos murmúrios

Ele saiu nu de debaixo das cobertas, seu corpo era mais singular que o meu. Com os seus 30 anos o arquiteto mais conceituado de Almíscar (e também o único, da cidade ainda de pescadores), possuía um corpo sem marcas, quase que intocável comparado com os marujos marcados pelo mar que entravam e saiam de mim. Era um homem inteligente o arquiteto... Mas também vaidoso, não gostava das outras mulheres da vida, porque não eram espertas o suficiente para entender o quanto escuta-lo e alimentar sua vaidade poderia lhes ser benéfico.


Eu, no entanto, não era tão ignorante, minhas outras encarnações já haviam me ensinado o quanto uma mulher tem poder, quando sabe as fraquezas de um homem, e sacia os seus desejos.

-Soube que você está projetando a nova prisão, parece ser interessante...- disse caminhando nua em sua direção, ele agora colocava seu suspensório, sabia que ele achava excitante quando pensava que  lhe deseja, que gostava dele, que não fazia apenas pelo dinheiro. Por sua vaidade queria acreditar que era diferente de todos os outros.

-E é, infelizmente é um projeto que irá demorar mais do que pensei... E o governador insiste que eu acompanhe o projeto de perto, o que significa ficar preso num escritório no meio daquela bagunça... acho que não nos veremos mais com tanta frequência.

- Sabe, sempre quis transar numa cela... As grades me excitam. - disse em seu ouvido, dei lhe uma lambida lenta no pescoço.

- Você é uma mulher de fetiches estranhos... - disse ele com um sorriso sacana, agora abotoava a camisa.

- Você poderia fazer uma passagem secreta para uma das celas, depois de construídas não existirá muito movimento nelas, e será interessante ter uma rota de fuga caso exista uma revolta contra o governo, o governador pode gostar desse seu projetinho secreto... E não vai precisar deixar de ver sua puta favorita.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Voltamos... ou quase!

Oi, meus docinhos de coco! Como vão vocês?

Eu estou bem. Estou ótimo. São 4 da manhã e acabo de voltar do hospital, porque à exata 1h da manhã fui picado por uma lacraia (o bicho, não o coreógrafo) e o hospital demorou apenas 2h30 para me prestar socorro. Como eu disse, estou bem. A médica disse que vou ter tremedeirrrrrrrra repentina, mas não acreditei muito nela. Isso até vai me render uma postagem, mas estou estragando a surpresa.
Quero contar uma coisinha pra vocês, que justificaria essa longa ausência: me separei. Estava morando com minha namorada (atual ex), tava tudo muito bem, mas infelizmente acabou. Sem ressentimentos, sem mágoas. Deu certo até onde tinha que dar.
“Mas que diabos isso tem a ver com a sua ausência, seu sedutor de menores?” – Pra início de conversa, a garota com quem estou saindo tem mais de vinte anos, viu? E respondendo a sua pergunta, acontece que a internet estava com sua titularidade no nome da minha ex, que levou consigo a instalação.

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Porque assistir The Handmaid's Tale

Olá Pessoas! Oi humanoides!


 The Handmaid's Tale é uma serie produzida pela Hulu que parecia possuir poucas pretensões, ela chegou no Emmy como aquele nerd que inspirado em Harry Potter só queria ficar no quarto sem fazer barulho e fingindo que não exite. Mas ao invés disso desbancou grandalhões como Game of Thrones, Westword. Ganhou como drama do ano e acumulou outras estatuazinhas, tantas como não faziam à 30 anos. A serie aborda um futuro distópico, em que o Estado Unidos não se chama mais Estados Unidos, mas Gilead, e é governado por um regime totalitário e teocrático que convive numa guerra civil. A religião domina tudo, nesse sistema as mulheres são propriedade do governo, não possuem os direitos que conhecemos e são divididas em castas.

As mulheres férteis são raras nessa realidade, e pertencem a um grupo de aias que possuem uma unica função procriar com os chefes de família mais poderosos na presença de suas esposas inférteis. Esse ritual no qual elas são estupradas com tudo de acordo com as leis desse governo se chama "cerimonia".

A serie conta com personagens femininas muito bem estruturadas e com personalidades fortes que fogem da estereotipação feminina que costuma ocorrer em certas obras. Com tudo sem a masculinização de tais personagens, a serie ainda conta com personagens masculinos igualmente bem estruturados.

Como este artigo não pretende ser fonte de Spoillers, não citarei cenas, mas cabe a mim ressaltar a profundidade dessa distopia, como a tempos longe de alguns livros clássicos desse gênero eu não via, a serie também é baseada numa serie de livros.

Temas como fanatismo religioso, segregação social, machismo e homofobia. fazem dessa serie uma verdadeira preciosidade, o clima dela lemba bastante 1984, com toda a vigilância feita pelo governo sob o comportamento das aias e até dos lideres, trabalho executado pelos "olhos".

Enfim, em minha humilde opinião essa serie merece um tempo de vocês queridos leitores.


Obrigada!



domingo, 29 de outubro de 2017

Por que assistir Anne with an e?


Oi pessoas! Oi humanoides!

Aqui vou eu com mais uma indicação para vocês. Essa série é uma obra um tanto escondida da Netflix, baseada numa obra de 1906 Anne of Green Gables, não aborda nenhum tema de universo fantástico, mas me encantou com certeza.

Anne with an e, conta a história de uma órfã e suas descobertas conforme passa a viver com uma simples família do interior da Inglaterra.

A série aproveita a visão lúdica e inocente de mundo da jovem Anne para abordar de maneira suave o machismo, o que a torna bem parecida com um dos clássicos que mais amo, O sol é para todos. Para quem não leu ele aborda de forma leve a desigualdade racial nos Estados Unidos.

Possui uma trama simples, então não esperem grandes revirevoltas,  essa série promete apenas nos encantar. E essa missão ela com toda certeza cumpre sem problemas.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Labirinto...

Um poema bastante difícil de ler.

Boa sorte!

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

FALLEN - A primeira vez que passei mal após ir ao cinema


Amigos leitores, vocês acompanham-me no amor e na dor ao longo deste blog. Hoje, eu vou mostrar a vocês como esse papo de dor é sério, afinal... EU NÃO VOU PARA O TÚMULO SENDO O ÚNICO A SENTIR ISSO, CARALHO!!!

Pois é. Fallen. O que é Fallen? Resumidamente, Fallen é uma porra de um romance de livros água-com-açúcar, os quais você percebe gritantes plágios da (Argh!) saga Crepúsculo. Sério. Permitam-me demonstrar:

Imagine que nosso planeta é um gigantesco episódio de "Os Simpsons", no qual as pessoas são idiotas e compram qualquer coisa que seja escrita e romantizada. Para isso, as grandes editoras inventaram e patentearam uma máquina: a Chorumex3000. Ela permite que você escreva um romance contemporâneo de acordo com o universo que você deseja expor. Atenha-se ao exemplo: