quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Mostra de talentos

"Bom dia Roberto, 

 Primeiramente gostaríamos de agradecer a tua participação nesta 1ª Mostra de Talentos, prestigiando assim, nosso empenho em tornar real este projeto.
Como já conversamos, aguardaremos até amanhã 10 poesias impressas, para que possamos planejar de forma bonita a exposição delas.

A Mostra ocorrerá em apenas um dia da Sipat.
Será quinta-feira, dia 26/11, das 09:00 às 16:00 horas.

Qualquer dúvida, contate-nos.

No documento anexo consta o regramento para esta participação, caso precisem consultar.

Grande abraço, [...]"


Sim, este foi o e-mail que recebi da empresa na qual trabalho.
Quero dividir isso com vocês: Finalmente vou mostrar para as pessoas a minha poesia. E dessa vez, será pessoalmente! 

terça-feira, 24 de novembro de 2015

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Série Mundo Quebrados - O Palhaço





Meu nome é Felipe tenho 17 anos cresci num circo.
Ah! O circo em sua maioria construido e estreado pelos ciganos, Ciganos! Povo mágico e misterioso!
Pelo menos para os gadges... Minha familia é circense desda decada de 50 quando os circos começaram a ser moda por todo o mundo, a junção do circo com a alma cigana é tão tenue que hoje não parece haver diferença, assim como a maioria dos ciganos sempre preferimos viver em movimento. Esse planeta é grande demais e lindo demais para se ficar parado.

Mas esse papel e essa caneta hoje não possuem o intuito de falar sobre essas belezas desse mundo que compartilhamos com tantos outros seres, o que me faz escrever hoje é o inverso, tudo é bonito e feio sempre, e talvez por isso eu comecei a falar da beleza porque não quero que me entendam mal, não existe só tristeza no meu coração o coração de um palhaço, não quero que da proxima vez que houvirem uma piada de alguém como eu chorem, coitado desse amigo, que infortunio seria. Quero apenas lhes mostrar algumas das mazelas que eu e meus povos circenses e ciganos enfrentam todos os dias com o sorriso caracteristicos dessas duas culturas sorriso que não consigo mais sustentar em meus labios.

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Enquanto isso, na Rússia...




Rússia. O lugar mais NONSENSE do mundo!

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

terça-feira, 10 de novembro de 2015

O capitalismo e as vacas (Clássicos)

Capitalismo ideal: Você tem duas vacas. Vende uma e compra um touro. O rebanho se multiplica e a economia cresce. Você vende o rebanho e aí pode aposentar… rico!

Capitalismo americano: Você tem duas vacas. Vende uma e força a outra a produzir o leite de quatro vacas. Fica surpreso quando ela morre.

Capitalismo francês: Você tem duas vacas. Entra em greve porque quer três.

Capitalismo canadense: Você tem duas vacas. Usa o modelo do capitalismo americano. As vacas morrem. Você acusa o protecionismo brasileiro e adota medidas protecionistas para ter as três vacas do capitalismo francês.

Capitalismo japonês: Você tem duas vacas, né? Redesenha-as para que tenham um décimo do tamanho de uma vaca normal e produzam 20 vezes mais leite. Depois cria desenhos de vacas chamados Vaquimon e os vende para o mundo inteiro.

Capitalismo italiano: Você tem duas vacas. Uma é a tua mãe e a outra a tua sogra, maledetto!

Capitalismo inglês: Você tem duas vacas. As duas são loucas.

Capitalismo holandês: Você tem duas vacas. Elas vivem juntas, não gostam de touros e tudo bem.

Capitalismo alemão: Você tem duas vacas. Elas produzem leite pontual e regularmente, segundo padrões de qualidade, horário estudado, elaborado e previamente estabelecido, de forma precisa e lucrativa. Mas o que você queria mesmo era criar porcos.

Capitalismo russo: Você tem duas vacas. Conta-as e vê que tem cinco. Conta de novo e vê que tem 42. Agora conta de novo e são 12. Você pára de contar e abre outra garrafa de vodca.

Capitalismo suíço: Você tem 500 vacas, mas nenhuma é sua. Você cobra para guardar as vacas dos outros.

Capitalismo espanhol: Você tem muito orgulho de ter duas vacas!

Capitalismo português: Você tem duas vacas… e reclama porque o seu rebanho não cresce.

Capitalismo chinês: Você tem duas vacas e 300 pessoas tirando leite delas. Você se gaba muito de ter pleno emprego e uma alta produtividade. E prende o ativista que divulgou os números.

Capitalismo hindu: Você tem duas vacas. E ai de quem tocar nelas!

Capitalismo argentino: Você tem duas vacas. Você se esforça para ensinar as vacas a mugirem em inglês… As vacas morrem. Você entrega as vacas para o churrasco de fim de ano do FMI.

Capitalismo brasileiro: Você tem duas vacas. Uma delas é roubada. O governo cria a CCPV – Contribuição Compulsória pela Posse de Vaca. Um fiscal vem e autua porque, embora você tenha recolhido corretamente a CCPV, o valor era pelo número de vacas presumidas, e não pelo número de vacas reais. A Receita Federal, por meio de números presumidos do seu consumo de leite, queijo, sapatos de couro e botões, presume que você tenha 200 vacas e, para se livrar da encrenca, você dá a vaca restante para o fiscal deixar por isso mesmo…

Roubei descaradamente do Crônicas Urbanas

domingo, 8 de novembro de 2015

Mike (parte 1 de 3)



Se você quer saber sobre apostas, bem... eu sei tudo sobre apostas. Las Vegas é uma cidade ideal pra você! Máquinas de slots, Black Jack, dados... ah, como esquecer do Poker? A emoção de jogar... a emoção de ganhar! Sim, quando você ganha, o mundo inteiro aplaude.

Quer saber? Eu gosto muito mais de torrar uma grana nas grandes lutas de boxe! Essas sim! Movem uma grana que dobra qualquer agente do governo. Quanto você tem? 15 mil? 150 mil? 500 mil? Não importa! Tudo é pouco perto da quantidade de dinheiro que circula em torno do ringue.


quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Poesia em Bleach #6

A vida não foi muito generosa, então só pude postar algo sobre, só agora.